quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Requisitos para um ministro de Deus (Adoração)


Em nossos dias, percebe-se a obra de Deus sendo realizada como uma rotina litúrgica que, na maioria das vezes, não leva o corpo de Cristo a crescer-se e desenvolver-se como Deus projetou.
Dos líderes da igreja de Cristo e dos seus ministros, os quais transmitem ao corpo a visão e direção que Deus revela para evangelismo, adoração e desenvolvimento como um todo, é a responsabilidade de estarem consoantes à vontade de Deus para seu povo na época e localidade que o mesmo é reunido.
Como afirma John C. Maweel, “tudo começa e termina na liderança”. Os líderes da igreja são diretamente incumbidos por Deus a promover o crescimento qualitativo de suas congregações. Já o crescimento numérico é promovido pelo próprio Deus, conforme a palavra nos revela em At 2.47b.
Os ministros da adoração no templo eram no AT os membros da tribo de Levi (ver Nm 1.50-53 e IICr 7-6). Hoje, nos é dada a honra e dever de ministrar a adoração no templo do Senhor, bem como de organizar e administrar o altar de Deus, que é o nosso posto de Serviço. Às nossas vidas então são destinadas algumas obrigações por Deus em sua palavra:
1. Valorização do que Deus nos deu como talento para servi-lo (Nm 16.9)
2. Zelo pelos utensílios do altar (Nm 1.50)
3. Compromisso e assiduidade com as ações ministeriais (Pv 10.4)
4. Semear no espírito (Gl 6.8) – a semeadura espiritual envolve vida de oração e estudo da palavra (Rm 10.17, Ts 5.17)
5. Exemplos de governantes do lar ( ITm 3.4-5)
6. Pessoas de consciência limpa – busca por santificação (ITm 3.9)
7. Dizimar (Hb 7.9, Ml 3.8)
São acima destacadas sete características básicas de pessoas que desejam ardentemente viver debaixo da boa, perfeita e agradável vontade de Deus para as suas vidas. Se você tem este desejo, analise em sua vida o que está faltando para que você dê livre acesso ao agir de Deus através de você.
Jonas foi um homem que tentou boicotar a vontade de Deus. Grande foi o seu sofrimento. Deus é soberano sobre nós e importa que nos dispusemos a adorá-lo ardentemente, cumprindo seus preceitos e propósitos, pois só assim nós ministros garantiremos a QUALIDADE da adoração e consagração do povo que levamos diante dEle. Sua voz, seu instrumento, seu rosto, suas atitudes, sua aparência, suas mãos, seus pés, todo o seu corpo, tudo está na vitrine. Fugir da aparência do mal é o conselho de Paulo aos tessalonicenses em ITs 5.22.
Portanto, como ministro de Deus, líder espiritual da congregação, exemplo de cristão e exemplo de adorador, é o seu maior dever caracterizar a sua congregação em qualidade de adoração, gratidão, celebração, batalha espiritual e quebrantamento, pois você será a primeira pessoa que o corpo de Cristo seguirá como exemplo de verdadeiro adorador.
Gostaria de ressaltar que a cobrança interior e exterior deve fazer parte de nossas vidas. A cobrança serve para estímulo e não desmotivação. Vemos Paulo em suas cartas efetuando, de certa maneira, uma cobrança de ordem, conduta, hierarquia, frutos, entre outras coisas, além de trazer ensinos novos pertinentes à realidade de seus discípulos.
Então se remete a pergunta: Nossa congregação poderia estar mais desenvolvida em termos de qualidade espiritual de culto e devocional diante de Deus?
Depende de nós. Cobremo-nos uns aos outros. Amemo-nos uns aos outros. Busquemos a excelência, busquemos sabedoria, busquemos ao Senhor...


Diego cunha
Ministro de Louvor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário